SP - (11) 3124-2400

Santos - (13) 3226-3626

Dólar - $4.1376
Euro - $4.6163

EnglishPortugueseSpanish

SP - (11) 3124-2400

Santos - (13) 3226-3626

Dólar - $4.1376
Euro - $4.6163

SP - (11) 3124-2400

Santos - (13) 3226-3626

Dólar - $4.1376
Euro - $4.6163

EnglishPortugueseSpanish
Brasil e México fazem rodada de negociações para livre-comércio

Brasil e México fazem rodada de negociações para livre-comércio

  • Home
  • Notícias
  • Brasil e México fazem rodada de negociações para livre-comércio

Estudo identifica 346 produtos nacionais que podem ser favorecidos em um acordo com país da América do Norte

 

O estudo, realizado pela Funcex (Fundação Centro de Estudos do Comércio Exterior), identifica 346 produtos que podem ser favorecidos em um acordo comercial com o México. Desses, 136 já são exportados para o vizinho dos Estados Unidos. Os demais 210 têm potencial para venda ao país governado por Andrés Manuel López Obrador.

“O México tem as vantagens que os países da América do Sul têm, porque não há uma barreira de língua relevante, é um país que tem uma economia estável e que tem acesso preferencial aos mercados americano e canadense”, diz.

O Brasil poderia expandir suas exportações agrícolas, enquanto o México se beneficiaria mais ao ampliar as vendas de bens industriais. Ainda há, no entanto, resistências bilaterais, afirma Bonomo.

“A gente é muito competitivo na agricultura e existe um temor do México em relação à nossa agricultura. E tem um desinteresse dos Estados Unidos de o Brasil ter um acordo com o México, porque os EUA hoje acessam o mercado mexicano preferencialmente, principalmente na agricultura”, diz.

 

O Brasil poderia expandir suas exportações agrícolas, enquanto o México se beneficiaria mais ao ampliar as vendas de bens industriais. Ainda há, no entanto, resistências bilaterais, afirma Bonomo.

“Se o México fizer um acordo em pé de igualdade conosco, nós vamos passar a competir em pé de igualdade com os americanos dentro do mercado mexicano.”

Por causa do interesse defensivo, Bonomo considera que qualquer acordo que represente uma ampliação significativa dos pactos já existentes com o México já seria uma boa notícia.

 

Fonte: Folha