SP - (11) 3124-2400

Santos - (13) 3226-3626

Dólar - $4.9851
Euro - $5.3979

EnglishPortugueseSpanish

SP - (11) 3124-2400

Santos - (13) 3226-3626

Dólar - $4.9851
Euro - $5.3979

SP - (11) 3124-2400

Santos - (13) 3226-3626

Dólar - $4.9851
Euro - $5.3979

EnglishPortugueseSpanish
Brasil e China firmam oito acordos, de carne bovina processada a energia renovável

Brasil e China firmam oito acordos, de carne bovina processada a energia renovável

  • Home
  • Notícias
  • Brasil e China firmam oito acordos, de carne bovina processada a energia renovável

No último da visita de Jair Bolsonaro à China, os dois países assinaram oito protocolos nesta sexta-feira (25). Os principais envolvem carne bovina processada (jerk beef), farelo de algodão (para ração) e energia renovável. Os acordos foram assinados no encontro entre Bolsonaro e o presidente chinês, Xi Jinping, no Salão do Povo, em Pequim, depois de uma longa cerimônia em que passaram em revista às tropas na Praça da Paz Celestial .
Também foram firmados atos para a facilitação dos trâmites nas aduanas entre os países, para tornar regulares os contatos entre as chancelarias, para o intercâmbio de jovens estudantes, para a cooperação entre a Capes e sua congênere chinesa e para a liberação da Hidrelétrica de Xingu.

Bolsonaro também aproveitou o encontro para dar um casaco do Flamengo ao presidente chinês e disse que o time “é o melhor da atualidade”.

A assinatura do ato para incrementar a presença chinesa no etanol brasileiro deve ficar para novembro, quando Xi Jinping vai ao Brasil para a cúpula dos Brics. A expectativa é que, durante a visita do presidente chinês, sejam anunciados novos investimentos da estatal Cofco no Brasil. Atualmente, a Cofco tem quatro usinas em São Paulo.
Os atos foram assinados pelos ministros das respectivas áreas. Um dos ministros que acompanharam Bolsonaro na visita foi o ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque. Ele disse que a China está de olhos abertos para o urânio brasileiro. Defensor da quebra do monopólio do urânio, proposta que teria que passar por mudança constitucional, o ministro negocia uma saída para a exploração das minas que pode vir a agilizar uma entrada futura do capital estrangeiro no setor.

No evento, Bolsonaro aproveitou a ocasião para convidar empresas chinesas a participar do leilão da cessão onerosa, que será realizado no próximo mês. Também agradeceu a posição do país em respeito à soberania brasileira na Amazônia e exaltou a relação bilateral.
“O Brasil é um mar de oportunidades para a China. Gostaria de convidar a China a participar do leilão de cessão onerosa. Queremos agregar valor a este intercâmbio”, disse Bolsonaro.
Bolsonaro voltou a falar sobre a isenção de visto a chineses que queiram fazer turismo ou negócios o Brasil, disse que esperava ver prosperar a relação ao longo de seus mandatos e concluiu seu discurso dizendo-se “orgulhoso de estar aqui”.

“O Brasil precisa da China, e a China precisa do Brasil”, disse o presidente, que estava do lado oposto a Xi na longa mesa em que se distribuíram as duas duas equipes de governo.
O mandatário chinês, por sua vez, reforçou a importância dos laços entre as duas nações:
“Há um futuro brilhante para a relação entre os dois países. São relações estratégicas e de longo alcance que nos unem.”

Mais cedo, o presidente criticou a proposta da Aneel de cobrança de impostos da sobre a enerdia solar, dizendo que ‘taxar o sol é deboche’ e revelou que o plano de estímulo de emprego no país prevê flexibilizar direitos de jovens e pessoas com mais de 55 anos.
Agência O Globo