SP - (11) 3124-2400

Santos - (13) 3226-3626

Dólar - $5.4254
Euro - $5.809

EnglishPortugueseSpanish

SP - (11) 3124-2400

Santos - (13) 3226-3626

Dólar - $5.4254
Euro - $5.809

SP - (11) 3124-2400

Santos - (13) 3226-3626

Dólar - $5.4254
Euro - $5.809

EnglishPortugueseSpanish
Copom corta Selic a 3,75% ao ano em meio a caos no mercado

Copom corta Selic a 3,75% ao ano em meio a caos no mercado

Valor da taxa era de 4,25% ao ano; este é o sexto corte consecutivo da taxa no atual ciclo, após período de 16 meses de estabilidade
O Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central decidiu, por unanimidade, reduzir a Selic (a taxa básica da economia) para 3,75% ponto porcentual, de 4,25%. Este é o sexto corte consecutivo da taxa no atual ciclo, após período de 16 meses de estabilidade. Com isso, a Selic está agora em um novo piso da série histórica do Copom, iniciada em junho de 1996.
Desde o início do atual ciclo, o Copom havia aplicado quatro reduções de 0,50 ponto porcentual e uma de 0,25 ponto percentual, na reunião passada. Agora, voltou a cortar em 0,5 ponto porcentual. No comunicado, os diretores do BC afirmam como “adequada” a manutenção da taxa Selic neste patamar. “No entanto, o comitê reconhece que se elevou a variância do seu balanço de riscos e novas informações sobre a conjuntura econômica serão essenciais para definir seus próximos passos”, diz a nota.
O anúncio do Banco Central cita, como fatores que compõem o cenário econômico atual a “desaceleração significativa do crescimento global”, a queda dos preços das commodities; o “aumento da volatividade nos preços de ativos financeiros”, e os impactos futuros do coronavírus na economia – que, segundo o BC, ainda não estão refletidos nos dados mais recentes da atividade econômica brasileira.

O agravamento da crise global decorrente da pandemia do novo coronavírus levou diversos bancos centrais do mundo a intensificarem o afrouxamento das condições monetárias em economias centrais desde o último fim de semana. Com isso, boa parte do mercado passou de defender um corte de maior magnitude nos juros também no Brasil.

capaeconomia
COVID-19Tudo o que você precisa saber sobre o coronavírus
ECONOMIA
Copom corta Selic a 3,75% ao ano em meio a caos no mercado
Valor da taxa era de 4,25% ao ano; este é o sexto corte consecutivo da taxa no atual ciclo, após período de 16 meses de estabilidade
Eduardo Rodrigues e Idiana Tomazelli
18 MAR 2020 18h20atualizado às 19h47
separator3COMENTÁRIOS
O Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central decidiu, por unanimidade, reduzir a Selic (a taxa básica da economia) para 3,75% ponto porcentual, de 4,25%. Este é o sexto corte consecutivo da taxa no atual ciclo, após período de 16 meses de estabilidade. Com isso, a Selic está agora em um novo piso da série histórica do Copom, iniciada em junho de 1996.

SAIBA MAIS
Dólar supera R$5,25 e bate novo recorde histórico

Médicos criticam “tira e põe” de máscaras de Bolsonaro

Prefeitura de São Paulo determina fechamento do comércio

Ibovespa fecha na mínima desde julho de 2017 sem trégua em temores sobre pandemia

O Copom se reúne a cada 45 dias para discutir a Selic.

O Copom se reúne a cada 45 dias para discutir a Selic.
Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil – 19/7/2016 / Estadão Conteúdo
Desde o início do atual ciclo, o Copom havia aplicado quatro reduções de 0,50 ponto porcentual e uma de 0,25 ponto percentual, na reunião passada. Agora, voltou a cortar em 0,5 ponto porcentual. No comunicado, os diretores do BC afirmam como “adequada” a manutenção da taxa Selic neste patamar. “No entanto, o comitê reconhece que se elevou a variância do seu balanço de riscos e novas informações sobre a conjuntura econômica serão essenciais para definir seus próximos passos”, diz a nota.

O anúncio do Banco Central cita, como fatores que compõem o cenário econômico atual a “desaceleração significativa do crescimento global”, a queda dos preços das commodities; o “aumento da volatividade nos preços de ativos financeiros”, e os impactos futuros do coronavírus na economia – que, segundo o BC, ainda não estão refletidos nos dados mais recentes da atividade econômica brasileira.

O agravamento da crise global decorrente da pandemia do novo coronavírus levou diversos bancos centrais do mundo a intensificarem o afrouxamento das condições monetárias em economias centrais desde o último fim de semana. Com isso, boa parte do mercado passou de defender um corte de maior magnitude nos juros também no Brasil.

Vire um mestre das planilhas de Excel!
Em um mercado tão competitivo, atualizar o currículo com novas habilidades faz a diferença na sua carreira profissional.

Aprenda com o Curso de Excel do Terra e dê um salto na sua rotina de trabalho.

“O Banco Central do Brasil ressalta que continuará fazendo uso de todo o seu arsenal de medidas de políticas monetária, cambial e de estabilidade financeira no enfrentamento da crise atual”, diz o comunicado.

Em levantamento realizado na segunda-feira, 16, das 26 instituições consultadas pelo Projeções Broadcast, 16 estimaram corte de 0,5 ponto porcentual na taxa básica de juros, o que levaria a taxa a 3,75% imediatamente. Outras cinco estimaram corte de 1,0 ponto porcentual, enquanto duas projetaram queda de 0,75 pp e outras três, de apenas 0,25 pp – nenhuma casa esperava manutenção da Selic em 4,25%.

O Copom se reúne a cada 45 dias para definir a Selic, buscando o cumprimento da meta de inflação. A meta é fixada pelo Conselho Monetário Nacional (CMN), órgão formado pelo Banco Central e Ministério da Economia.

O centro da meta de inflação perseguida pelo BC em 2020 é de 4,00%, com margem de 1,5 ponto (de 2,5% a 5,5%). No caso de 2021, a meta é de 3,75%, com margem de 1,5 ponto (2,25% a 5,25%). Já a meta de 2022 é de 3,50%, com margem de 1,5 ponto (2,00 a 5,00%).

Quando a inflação está alta ou indica que ficará acima da meta, o Copom eleva a Selic. Dessa forma, os juros cobrados pelos bancos tendem a subir, encarecendo o crédito e freando o consumo, assim, reduzindo o dinheiro em circulação na economia. Com isso, a inflação tende a cair.