SP - (11) 3124-2400

Santos - (13) 3226-3626

Dólar - $4.9851
Euro - $5.3979

EnglishPortugueseSpanish

SP - (11) 3124-2400

Santos - (13) 3226-3626

Dólar - $4.9851
Euro - $5.3979

SP - (11) 3124-2400

Santos - (13) 3226-3626

Dólar - $4.9851
Euro - $5.3979

EnglishPortugueseSpanish
Investimentos no país somaram US$ 2,1 bi em 2018

Investimentos no país somaram US$ 2,1 bi em 2018

Os investimentos feitos por empresas norueguesas no Brasil somaram cerca de US$ 2,1 bilhões (cerca de R$ 8,8 bilhões), em 2018, de acordo com relatório concluído em novembro pelo governo norueguês. Com isso, segundo o levantamento, os investimentos acumulados de companhias norueguesas no país totalizam US$ 25,5 bilhões (cerca de R$ 104,4 bilhões), com crescimento de 19,7%, ante o totalizado no ano anterior, e geração de 27 mil empregos diretos.

De acordo com o relatório, no biênio 2017-2018, foram investidos US$ 4,2 bilhões (cerca de R$ 17,5 bilhões) no Brasil. Desse total, a maioria (65%) é relativa aos setores de petróleo, gás natural e marítimo. O segmento de energias renováveis brasileiro recebeu 5% dos investimentos noruegueses no biênio. O restante é distribuído por outras áreas.

A principal operação no período foi a aquisição pela petroleira norueguesa Equinor de 25% de participação no campo gigante de Roncador, na Bacia de Campos, da Petrobras. A operação somou US$ 2 bilhões. A brasileira permanece com 75% do ativo.

O relatório destaca ainda o valor de lucros reinvestidos pelas companhias norueguesas no Brasil. Ao todo, 39,4% (cerca de US$ 1,5 bilhão) dos lucros dessas empresas foram reinvestidos no país, entre 2017 e 2018.

O montante é 62,9% superior aos US$ 921 milhões reinvestidos no biênio anterior (2015-2016).

O documento inclui ainda uma pesquisa com 219 empresas norueguesas que investem no Brasil. A maioria delas (57%) pretende aumentar investimentos no país. Outros 36% informaram que manterão o nível atual de investimentos, enquanto apenas 7% pretendem reduzir os aportes no país.

Um total de 69% das empresas também respondeu que pretende aumentar a força de trabalho no Brasil nos próximos cinco anos. Outras 26% informaram que pretendem manter o nível atual de força de trabalho e apenas 5% sinalizam com redução do número de funcionários.

Publicação: 09/12/2019

Fonte: Valor Econômico

Imagem: DCI